Pesquisar este blog

domingo, 4 de março de 2018

5 formas de combater a fadiga



A fadiga é uma queixa relativamente comum na população em geral. O inquérito “Eurobarometer Mental Health”, que abrangeu 27 países, revela que 26% dos entrevistados sentem-se “cansados a maior parte do tempo” e apenas 51% se sentem “cheios de energia”.

Um estudo realizado na Holanda revela que a prevalência de 36.4% de fadiga na população em geral, associada com estilos de vida não saudáveis.

Nos cuidados primários a prevalência da fadiga é de 14% a 27% e para 1-2% dos pacientes essa é a principal razão para consultar o médico. Em clínica geral, as mulheres têm uma probabilidade três vezes superior de se queixarem de fadiga do que os homens.

 

Alimente-se de forma adequada

A fadiga pode  estar relacionada com a deficiência de vários nutrientes. Pode, por exemplo, ser causada pela deficiência de ferro(3) e alguns estudos verificaram que a suplementação com ferro reduz a fadiga em mulheres sem anemia, mas com níveis de ferritina baixos.

O défice de ferro pode provocar anemia, que é um problema sério de saúde pública em Portugal. Um estudo (EMPIRE), realizado em 2016, verificou que a prevalência de anemia e de deficiência de ferro na população adulta portuguesa é de 19,9%, sendo que 84% dos casos não haviam sido diagnosticados anteriormente.

O magnésio é outro mineral importante, cuja deficiência está significativamente implicada na fadiga, incluindo na fadiga crónica.

Existem vários outros nutrientes cuja deficiência está implicada na fadiga e depressão, incluindo várias vitaminas do grupo B, vitamina C, folato, sódio, zinco, L-triptofano, L-carnitina, coenzima Q10 e ácidos gordos essenciais.

De notar que a deficiência de vitaminas e minerais pode surgir com alguma facilidade devido a dietas desequilibradas ou extremas, nas quais se exclui completamente um ou mais grupos alimentares ou no contexto de doenças, gastrointestinais por exemplo.

Perca peso (se tiver excesso)perder peso fadiga

A obesidade está estreitamente associada a uma maior sonolência e fadiga durante o dia, mesmo quando a apneia do sono está ausente.

Em adultos jovens, a obesidade demonstrou reduzir a capacidade de funcionamento neuromuscular, isto é, diminuir a força muscular e aumentar a rapidez com que os músculos se fatigam.

As alterações neuromusculares relacionadas com a obesidade poderão ser atribuídas a factores fisiológicos periféricos como a diminuição da capilaridade sanguínea, que pode impedir o fluxo sanguíneo, aumento da proporção de fibras de contração rápida (isto e, fatigáveis), ou factores centrais como baixa motivação ou alterações na condução neural.

Outros investigadores sugerem que os níveis mais elevados de cortisol e de citocinas pró-inflamatórias, geralmente presentes na obesidade, diminuem a eficiência do sono e aumentam a fadiga.

Para além disso, a sonolência e a fadiga são também muito prevalentes em condições associadas à resistência à insulina, como a obesidade.

 

Evite o sedentarismo

A análise dos dados de um inquérito (NHANES III) demonstrou que a prática insuficiente de atividade física está associada a uma probabilidade 2-4 vezes maior de sensação de “cansaço” ou “exaustão”.

Num estudo, que envolveu um grande número de mulheres, a inatividade física foi independentemente relacionada com a fadiga.

Noutro estudo cujos voluntários eram homens obesos com apneia, a prática regular de exercício associou-se a uma redução significativa da sonolência.

É provável que os efeitos benéficos do exercício estejam relacionados com a melhoria da resistência à insulina e redução da adiposidade central. 

Felizmente não é necessário realizar exercício de alta intensidade, nem durante muito tempo, para se obter benefícios. Um estudo verificou que 10 minutos a subir e a descer escadas foi o suficiente para que os voluntários se sentissem com mais energia, em comparação com a ingestão de 50 miligramas de cafeína.

 

Evite o stress excessivo


A fadiga pode ser provocada pelo stress excessivo e prolongado, sendo mais prevalente nos indivíduos de baixo nível socio-económico e naqueles que se consideram menos saudáveis. Por sua vez, esse stress pode levar a uma diminuição da performance e da capacidade de funcionamento.

Também se verificou que a exposição a stressores e/ou stress pós-traumático é significativamente mais comum nos indivíduos que sofrem da síndrome da fadiga crónica.

De recordar que o exercício físico também é uma fonte de stress e que o overreaching é bastante comum, afectando 5 a 60% dos atletas.

O overreaching resulta de um volume ou intensidade de treino excessiva que se traduz numa diminuição da performance desportiva. Com descanso e recuperação adequados, em combinação com a ausência de stress excessivo, é possível melhorar a performance através do mecanismo de supercompensação, ultrapassando desta forma o overreaching.

A síndrome do excesso de treino (overtraining) é muito menos prevalente, mas também aqui o volume de treino excessivo, intensidade de treino excessiva e o descanso insuficiente podem causar ou contribuir para o surgimento desta síndrome.

 

Durma melhor

A literatura científica indica-nos, com elevado grau de clareza que os padrões de sono têm efeitos diretos na fadiga. Aliás, não só a quantidade como também a qualidade do sono estão diretamente relacionadas com a percepção de fadiga.

Também já foi demonstrado que a melhoria da qualidade do sono diminui as queixas de fadiga tanto em idosos como em jovens, mesmo quando a quantidade adicional de sono é apenas uma cerca de 20 minutos.

 

Fonte: Musculação.Net 

LEIA TAMBÉM:

ENTENDA O QUE É E COMO FUNCIONA CONSULTORIA ON LINE.

Sobre a consultoria online

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog